Páginas

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

ESSA FOI DEMAIS, ESTOU RINDO ATÉ AGORA...

Olhe só essa:



Acredito que nas igrejas também aconteçam coisas bem esdrúxulas, especialmente naquela hora da "paz do senhor", em que todo mundo se beija e troca abraços... É muito, mas muito parecido com o Carnatal, chega a ser até um sacrilégio que hoje em dia, isso ainda aconteça em uma igreja. Inclusive a quantidade de pessoas dentro de uma igreja, assim como num bloco de carnatal, é enorme...




Sinceramente o PHD da foto acima, tem razão. A igreja com seus padres pedófilos é um local de sacrilégios. O Carnatal, com suas danças erotizadas, letras com apelo sexual, pouca roupa dos participantes, seios à mostra durante as transmissões de TV, cachaça free, sexo na rua em cima dos carros, drogas "lícitas" e ilícitas, não é e nunca será local de sacrilégios. Assim como Natal, que nunca será uma cidade de nós cidadãos! Mas quanto eu vou ganhar por dizer isso, heim Júlio?

Para vocês não esquecerem, vou citar um trecho de uma reportagem da Tribuna do Norte: "A Operação Impacto, deflagrada hoje de manhã, fez busca e apreensões na casa de sete vereadores e em nove gabinetes da Câmara Municipal de Natal. Além dos mandatos expedidos pela Justiça, o Ministério Público e a polícia pediram a prisão preventiva para os vereadores Dickson Nasser (PSB), presidente da Câmara Municipal do Natal, Adenúbio Melo (PSB), Salatiel de Souza (sem partido), Edson "Sargento" Siqueira (PV), Geraldo Neto (PMDB), Renato Dantas (PMDB), Emílson Medeiros (PPS) e o vereador Júlio Protásio (PV). "

Não dá para confiar né?

mas tudo bem, olhe para o rosto desse inocente, não se iluda com acusações indevidas do Ministério Público, que está apurando apenas por que não está ganhando a parte deles... Será?

2 comentários:

Gleidson disse...

Só um safado, demônio dos infernos que compara o carnatal com uma Igreja. Esse vereador ladrão safado deveria voltar pra as profundezas do inferno que é o lugar dele.

Lisandra disse...

Não tenho nem ânimo para refutar o argumento desse "rapaz", esse vereador. Porque é tão absurdo, que me parece redundante, óbvio demais dizer o quão diferente é o carnatal de uma missa ou outra celebração religiosa.
Vou é mencionar sobre uma entrevista (não assisti, mas me contaram) em que um casal, estando grávida a mulher, disse que mesmo ciente dos riscos para o bebê não ia abrir mão do "sonho" de participar do carnatal. Parece que o povo, afinal de contas, tem o governo que merece, não é mesmo?

"gardênias e hortênsias
não façam nada
que me lembre
que a este mundo eu pertença

deixem-me pensar
que tudo não passa
de uma terrível coincidência"

(Paulo Leminski)