Páginas

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Questões Filosóficas, por Turista Fantasma


Todos nós conhecemos este fenômeno, nós estamos acostumados, faz parte da sociedade e nós o encontramos em muitas cidades do país. Ele está presente no ar, antes mesmo de o vermos, nós podemos escutar e sentir sua presença, ele pode até mesmo causar dor de cabeça algumas vezes, ele é mais intenso durante feriados e finais de semana, ele é onipresente e onipotente, ele é alguma coisa que me impressiona bastante. Eu, como Turista Fantasma, me impressiono de uma maneira muito forte. Este fenômeno não existe no meu país e eu, como uma pessoa que quer respeitar e adquirir conhecimentos de outros países e culturas, eu quero vê-lo e senti-lo o mais próximo possível. Eu gostaria de lhe dizer sobre minhas impressões sobre isso!

Eu tenho certeza que você sabe sobre o que eu estou falando, eu me aproximo e eu vejo em muitos carros estacionados nas praias, as portas traseiras abertas mostrando o céu. Meu primeiro pensamento é que isso é genial, talvez seja bom para a ventilação do carro ou talvez essa porta levantada, aberta possa criar alguma sombra, tão importante neste clima tropical. Eu acredito que deve existir algum benefício, considerando que muitas pessoas fazem isso da mesma forma, não é mesmo?

Vou chegando perto e agora posso avistar um grupo de pessoas sentadas próximas do carro ou já dançando alegremente, felizes e alegres devido à meia garrafa de cachaça, já consumida, acima da mesa. Que felicidade eu posso ver nas faces dos homens e mulheres do grupo e cada um deste grupo está totalmente orgulhoso da música e, para mim, é inacreditavelmente incrível esse comportamento social tão maravilhoso onde todos querem repartir sua música preferida com todas as outras pessoas do seu grupo e de outros grupos que estão nas proximidades. É impressionante e muito barulhento! Nós, europeus, sentimos falta dessa alegria e desse comportamento brasileiros, isso não existe lá, as pessoas não estão conscientes sobre essa intensidade de sentidos!

Eu gostaria que vocês me perdoassem, mas eu preciso dizer que às vezes eu não gosto daquela música, eu não entendo as letras das músicas, meu português é muito pobre para poder entender palavras daquele nível, e eu acredito que vocês podem também me entender quando eu concluo, muitas vezes que aquela música é muito alta pra meus sensíveis ouvidos europeus. Eu não tenho a capacidade das pessoas locais que podem diferenciar totalmente entre a música de seu carro e as outras dos carros estacionados nas proximidades. Mas o que me impressiona realmente é que todo esse cenário cria um impressão audiovisual inesquecível.

Conclusão:
Estas caixas de som gigantescas sobre rodas são provavelmente, ao lado de outras coisas, uma das mais bem sucedidas estórias de sucesso de coisas que funcionam e possuem uma ótima manutenção no Brasil.Mas eu preciso voltar para o ponto inicial!!!! O que eu estava questionando: são essas caixas de som máquinas as quais atualmente também são usadas como carros ou elas ainda são originalmente carros equipados com potente tecnologia para tocar músicas? Eu preciso observar isso mais vezes e com mais atenção. Eu vou tentar encontrar as respostas para essas questões fundamentalmente filosóficas e importantes!


O Turista Fantasma

Um comentário:

Carlos Augusto [Floyd] disse...

Aqui em Natal, quanto maior o som do carro, menor é o Q.I. do proprietário...